Acervo Maracá

O Acervo Maracá reúne milhares de registros audiovisuais recolhidos desde 1991 em mais de 100 comunidades de 56 municípios, em 15 estados brasileiros. Esses registros, que revelam um painel importante de nossa cultura popular, já deram origem a dezenas de publicações – 30 CDs, 12 documentários, 2 livros e vários artigos. Reconhecido como uma das principais coleções de gêneros tradicionais do Brasil, recebeu em 2019 o Latin Grammy Research Award, e diversos outros prêmios como Rodrigo Melo Franco Andrade – IPHAN (2011 e 2017); Interações Estéticas, Prêmio da Música Brasileira, Rumos Itau, Funarte e outros, além de aprovações em editais públicos de empresas como Natura, Petrobras, Chesf, Caixa, Votorantim, Itaú, etc, para a realização de seus registros.

A tradição é a expressão pragmática da memória, nos servindo de referência e impulso para o futuro. Cantado por seus mestres geração após geração, o repertório das tradições populares se funde, se adapta, se particulariza, e tem como resultado uma surpreendente elaboração estética. São ‘hits’ atemporais, filtrados pelo tempo, esculpidos pela memória. Produzidas muitas vezes em situações de conflito, miséria e exclusão social, é assombrosa sua força criativa.

O acervo é resultado de quase 30 anos de convivência intensiva e apaixonada com nossas culturas tradicionais, seus guardiões e artistas, trazendo registros históricos de diversos mestres e brincantes já falecidos e outros ciclos e momentos raros. Esse imenso acervo forma um amplo painel da cultura tradicional brasileira hoje, mostrando uma cultura popular exuberante e vigorosa, onde o talento dos artistas e a vitalidade destas tradições revelam diversidade e identidade em um Brasil contemporâneo, onde piercings e celulares convivem sem conflitos com rendas e rosários.

Realizados sempre com a melhor qualidade técnica disponível, os registros trazem não só uma enorme diversidade de manifestações, mas a consistência incomum que acompanhou várias dessas comunidades ano após ano em uma convivência longa e fundamentada, acompanhando seu calendário de ciclos e festejos em diversas épocas do ano, entrevistando mestres e brincantes, fazendo registros especiais a pedido destes, convivendo estreitamente com esses grupos e guardiões, criando laços profundos de amizade e confiança.

Registros do Ciclo Junino de São Luís, zona rural e Baixada Maranhense, de 1999 a 2016; do carnaval pernambucano, Recife e Zona da Mata de 1997 a 2014, de comunidades Guarani de SP desde 1991, da Festa de São Benedito de Aparecida (SP) desde 1998, da Casa Fanti Ashanti e seu calendário imenso desde 1999 e de dezenas de grandes guardiões de nossa cultura que já nos deixaram podem ser ouvidos nas páginas do acervo. Em muitos desses momentos, tive a parceria de amigos como André Magalhães, Lincoln Antonio, Marquinhos Mendonça, Marcelo Pretto, Jandir Gonçalves, a Barca e a família Menezes, a quem agradeço dividir comigo o encantamento inesgotável dessas melodias.

pesquisa, fotos, vídeos e textos

Renata Amaral

Formada em Composição e Regência e pós graduanda em Performance pela UNESP, tem se apresentado em todo o Brasil e Europa ao lado de artistas como A Barca, Ponto br, Tião Carvalho, Sebastião Biano, Orquestra Popular do Recife e outros. Pesquisadora e contrabaixista, desde 1991 reúne um dos mais significativos acervos de tradições populares brasileiras

produção executiva

Aline Fernandes

Trabalha com produção cultural desde 2012. Junto à Maracá realiza projetos de pesquisa e produção artística com grupos como Ponto Br, Pedra da Memória e a Barca. Além disso, atua independente com artistas como Lia de Itamaracá, Ana Maria Carvalho e Grupo Cupuaçu, sempre tendo a cultura tradicional como principal fio condutor de seus trabalhos.

digitalização e organização

Ana Caroline Bittencourt

É graduada em Audiovisual desde 2010. Trabalhou com pesquisa e produção em cineclubes em São Carlos – SP e assistência de produção em mostras de cinema em Brasília – DF. Esteve por mais de um ano junto à Maracá, envolvida no processo de organização e digitalização dos arquivos de som e imagem.

designer e desenvolvedora

Paula K.

Designer de conteúdo e desenvolvedora web graduada em Comunicação com habilitação em Editoração pela ECA-USP, estuda especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web na PUC Minas. Responsável pelo desenvolvimento e webdesign do Acervo Maracá.

digitalização e organização

Luiza Fernandes

Graduada em Comunicação Social pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA USP), tendo na cultura seu eixo principal de envolvimento e atuação e cruzando conhecimentos de música, vídeo e comunicação digital.

produção

André Magalhães

Produtor musical, baterista, percussionista, pesquisador de cultura tradicional, compositor, arranjador e eng. de áudio. Nas diversas funções realizou muitos discos, shows, projetos de formação, direções de palcos, filmes e projetos especiais com artistas, grupos e músicos do Brasil e mundo que inclui centenas de produções envolvendo  povos indígenas, mestres e grupos da cultura popular.

produção

Ricardo Souza

Bacharel em Ciências Sociais pela USP. Atuou como Educador do Museu Afro Brasil em São Paulo; trabalhou com projetos de salvaguarda do patrimônio imaterial na Superintendência do IPHAN/SC; tem experiência em pesquisas e formações em história e cultura popular, africana e afro brasileira, produção de projetos culturais e educativos para diversos grupos e artistas da cidade de São Paulo.